terça-feira, 27 de setembro de 2011

O interessante caso dos Pirahãs, um povo sem numeros, lendas ou deuses. São apenas felizes.

A tribo dos pirahãs, formada por cerca de 350 indígenas que vivem às margens do Rio Maici, no Amazonas, tornou-se um desafio para a ciência. Como muitas tribos da região, eles são caçadores e coletores, mas têm características únicas no que diz respeito à comunicação. Seu idioma desafia todas as teorias sobre como a linguagem humana se desenvolveu nas diferentes culturas. Segundo a tese hoje mais aceita sobre o tema, criada por lingüistas como o americano Noam Chomsky, a formação dos idiomas se pauta por uma espécie de gramática universal com regras comuns. O ser humano é dotado de recursos inatos para usar essas regras. Isso permite às crianças perceber os significados das palavras e das frases e aos poucos ampliar seu vocabulário. Essa gramática universal faz com que todos os idiomas tenham frases subordinadas, que estariam na base dos raciocínios complexos: "Depois de comer, vou à sua casa". O idioma dos pirahãs é o único até hoje identificado no mundo que não tem frases subordinadas, contrariando o conceito de gramática universal.

Os pirahãs não têm palavras para descrever as cores. Não usam tempos verbais que indiquem ações passadas. Não há entre eles a tradição oral de contar histórias. Tudo é dito no presente. A língua escrita não existe. Os pirahãs não desenham e desconhecem qualquer tipo de arte. Eles são a única sociedade no mundo, segundo avaliação de antropólogos, que não cultiva nenhum mito da criação para explicar sua origem. Para completar, os pirahãs não usam números e não sabem contar - têm apenas palavras para "pouco" e "muito".
(fonte: Revista Veja)

O mais interessante da história é que esse povo muito original não tem nem jamais teve uma religião. Não tem deuses, santos, mitos, lendas, nada.
Simplesmente não se preocupam com isso, vivem o dia de hoje.
E da maneira mais simples e mais natural provam a nós "civilizados" que é perfeitamente possível viver sem deuses.

Um pesquisador e missionário inglês, Daniel Everett, estudou o idioma pirahã, traduziu para ele os evangelhos e tentou catequisa-los.
Foi buscar lã e saiu tosquiado.
Os pirahãs ouviram as estórias bíblicas com atenção e interesse, mas recusaram qualquer conversão. Sobre os milagres, perguntaram se Daniel os havia presenciado e riram quando ele respondeu que não, que apenas passava adiante o que havia ouvido de outros que também nao haviam presenciado nada.
Para resumir, Daniel Everett hoje é ateu e conta essa história singular em um livro chamado "Dont sleep, there are snakes"

4 comentários:

  1. É a primeira vez que ouço falar de um povo 100% inteligente.

    ResponderExcluir
  2. lineu! por tudo que é mais sagrado, não divulgue o endereço deles, vai que algum cristão, queira ir lá novamente. não sei se vai levar as boas novas do evangelho, mas doenças isso eu tenho certeza.

    ResponderExcluir
  3. Robson, um missionário católico esteve lá... e saiu ateu!

    ResponderExcluir
  4. Daniel Everett saiu convertido da aldeia... rsrsrsrs

    Adorei este povo.

    Mas não divulgue o endereço... Podem aparecer muitos idiotas querendo se provar competentes que o Daniel. E depois de fracassar, pegar algumas armas e mais alguns idiotas e matar a todos numa santa inquisição para impor a sua verdade absoluta. Fazer a salvação deles matando-os.

    ResponderExcluir