sábado, 21 de outubro de 2017

Amarração é um golpe, saiba como funciona.

Continuam muito ativos os espertalhões que vendem serviços do tipo “trago seu amor de volta ou devolvo seu dinheiro”.



Alguma vez você já se perguntou como afinal isso funciona?

É simples e sofisticado ao mesmo tempo: análise probabilística espertamente conjugada com conhecimento do comportamento humano, muita cara de pau e nenhuma piedade pelas pessoas enganadas.
É um golpe e precisa ser combatido.

Começa pelas faixas anunciando o serviço.
Em qualquer lugar sempre haverá casais com problemas nos mais diversos estágios, de briguinhas a divórcios litigiosos.
A promessa de trazer de volta a pessoa  que te deixou é irresistível para ouvidos carentes e crentes...ainda mais com garantia de sucesso!

Quando alguém fala o que a gente quer ouvir...a lógica e o bom senso são rapidamente deixados de lado.

Bem, digamos que a "bruxa" faça o trabalho de amarração para 10 novos clientes.

Tempos depois o curso natural da vida terá feito alguns desses casais reatarem, outros não, é da vida, faz parte do ciclo normal das relações e das pessoas.

Mas, observe, isso vai acontecer com ou sem as amarrações...até  porque o golpista nada faz,  apenas finge (velas, espadas de São Jorge, tudo isso é encenação).

Digamos que 4 casais tenham reatado e 6 não, só por hipótese.

Os 4 clientes da "bruxa" felizes e farão muita propaganda dela.
Os outros seis ficarão decepcionados.
Algumas, por vergonha, nem sequer pedem o dinheiro de volta,
E não comentam  muito, para não ter que admitir que caíram em um golpe.
Ou pior, que seus amados não voltam nem com trabalho forte.

Digamos que das seis a metade aja assim e que as outras três voltem para pedir seu dinheiro de volta. 
Em alguns casos a "bruxa" devolverá, explicando que as entidades espirituais as vezes não a atendem, que é assim mesmo, que ela lamenta...
Mas na maioria dos casos já terá desaparecido,  sem deixar rastros.
Email, telefone?  Esqueça.

A grande sacada é que o saldo é sempre positivo para o golpista, fez dez trabalhos, devolveu o dinheiro para três e ficou com sete. 
Mesmo que ficasse com um só ainda seria bom negócio, afinal, ele não fez nada!

Quando a clientela começar a rarear...basta se mudar, espalhar  as faixas no novo bairro (ou nova cidade) e recomeçar o ciclo.

Simples assim. Na verdade, genial.

Agora pense: no  que você acreditava? Que havia mesmo um exercito de espíritos desencarnados fazendo as pessoas voltarem ou não para seus ex-amores dependendo dos valores pagos a uma entidade que os representa na Terra? Sério?

Um tolo e seu dinheiro cedo se separam.

sábado, 18 de maio de 2013

Blog do Lineu está de mudança....

...para uma página do Facebook, você já curtiu?

www.facebook.com/lineuoateu





segunda-feira, 13 de maio de 2013

ONGs denunciam igrejas por política partidária nos EUA.


erca de cem igrejas americanas, evangélicas e católicas, foram denunciadas no ano passado por organizações não governamentais por estarem fazendo política partidária em cultos e missas.
Um número crescente de ONGs americanas luta para que tais igrejas percam o direito de não pagar impostos como entidades religiosas.
Os ativistas se amparam na reforma do código tributário de 1954, quando entidades isentas de impostos ficaram proibidas de fazer campanhas políticas ou endossar candidatos a cargos públicos.
Para essas ONGs, as igrejas denunciadas não respeitam a lei, e o IRS --a Receita Federal americana-- não as pune como devido. Os religiosos rebatem dizendo que a sua liberdade de expressão está sendo ameaçada.
Desde os anos 50, praticamente só uma igreja por década perdeu a isenção ou foi multada. A maioria recebe apenas uma advertência. Outras, poucas, não se registram como entidades religiosas e pagam impostos para poder expressar visões políticas.
A organização Americans United for Separation of Church and State [americanos unidos pela separação de igreja e Estado] mandou em 2012 cartas a 60 mil igrejas no país, recordando pastores e padres da proibição de campanhas em cultos e missas.
O grupo ateísta Fundação para a Liberdade de Religião pressiona o IRS a acabar com o "tratamento preferencial" às igrejas. Com 19 mil membros, a entidade entrou com uma ação em janeiro pedindo "relatórios anuais detalhados" de gastos e receitas para as igrejas, "os mesmos pedidos a qualquer outra ONG".
"Não pagar impostos é um privilégio. Por que as igrejas não precisam prestar contas?", diz Anne Laurie Gaylor, porta-voz da fundação.

PRESTAÇÃO DE CONTAS
À Folha Rob Boston, diretor da Americans United, disse que, "além de acabar com a isenção fiscal de igrejas que façam proselitismo político, queremos mais leis que obriguem entidades com esse privilégio a revelar seus investimentos e suas doações".
Essa lei existe em poucos Estados, como a Califórnia. Lá as autoridades descobriram que a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (mórmons) doou cerca de US$ 22 milhões (R$ 44 milhões) para campanha contra o casamento gay no plebiscito do Estado, em 2008.
A colaboração mórmon foi de cerca de 70% das doações a favor da proibição. Famílias mórmons eram estimuladas a doar durante os cultos.
Mesmo sem punição da Receita, os mórmons sentiram o golpe. Houve protestos em frente a templos, e vários foram pichados. Em abril, a igreja mudou sua posição histórica e apoiou a decisão dos Escoteiros da América de permitir integrantes gays.
O IRS não retornou o pedido de entrevista da Folha e disse que as auditorias de igrejas são confidenciais.
Segundo a Americans United, desde 2009 não há investigações relevantes contra igrejas, apesar da alta nas denúncias. Mas em 2012 o gerente do IRS de Washington, Peter Lorenzetti, disse a pastores que "fazer campanhas para candidatos ou doações contra outros" é suficiente para revogar o status de isento.
"Estimamos que menos de mil igrejas façam política partidária hoje. É uma fração pequena, mas que precisa ser investigada", diz Boston.
Desde 1894, igrejas não têm de pagar impostos sobre propriedade ou arrecadação. Doações a elas podem ser abatidas do Imposto de Renda.
Fonte: FSP de 13/05/13

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Religião e epilepsia.

Estrutura mental da espiritualidade e seu papel evolutivo ainda são um mistério.

Um dos temas atuais mais palpitantes em neurociências é saber "onde" estão as redes neurais cerebrais que codificam a crença (ou a fé). Localizacionistas apostam no lobo temporal, e tal convicção se fundamenta na religiosidade das pessoas que sofreram lesão nessa área.

Trabalhos científicos enfatizam o fato de que portadores de epilepsia do lobo temporal desenvolvem religiosidade exacerbada. Entre casos famosos mencionados encontra-se o pintor Vincent Van Gogh. Qual teria sido a origem do seu fervor religioso, levando-o a tornar-se um pregador tão obstinadamente preocupado com seus deveres que acabou expulso de sua seita?

Numa tentativa de compreender melhor o fervor religioso despertado em pessoas com lesão temporal o neurologista Vilayanur Ramachandran estudou dois pacientes epiléticos do lobo temporal, ambos com tendência espiritualista exacerbada. Submeteu-os a um experimento simples, conectando-lhes ao braço um eletrodo que capta impulsos elétricos na pele quando a pessoa é envolvida por alguma emoção. Numa tela de computador assistiam a figuras neutras (como bola de tênis, árvore e quadro-negro) intercaladas com imagens de sexo, violência, símbolos religiosos e palavras alusivas a Deus. Para surpresa dos examinadores, os impulsos mais intensos não se deram com cenas violentas ou eróticas: naqueles dois epiléticos do lobo temporal, a intensidade aumentava nitidamente quando os pacientes viam imagens religiosas.

Assim, seria lícito supor - por mais absurdo que possa parecer - que existem áreas no cérebro cujos circuitos são especializados em fé ou apego religioso? É exatamente aí que se inicia a penumbra do nosso conhecimento. Talvez por isso os neurocientistas tenham se negado sistematicamente a dedicar tempo de pesquisa ao tema.
Um epilético com lesão no lobo temporal e que desenvolvera religiosidade exacerbada quando não havia nele nenhum vestígio de interesse religioso antes da cirurgia causadora da lesão contou-me que, ocasionalmente, sofre uma crise em que tem a nítida sensação de sair do corpo, uma evidente sensação extra-sensorial. Relatos como esse se encaixam na experiência tornada pública em 2001 por Olaf Blanke. Ele colheu o extraordinário relato de uma paciente que passou por uma experiência extra-sensorial quando teve o giro angular direito estimulado por uma corrente elétrica. Ela estava se submentendo a cirurgia de crânio para a retirada de áreas geradoras de descargas epiléticas no lobo temporal.

Esse tipo de operação geralmente se faz sob anestesia local, pois é importante que o paciente esteja acordado para orientar os médicos quanto à sensação experimentada em cada área estimulada. Assim, colocam-se delicadamente eletrodos sobre o córtex cerebral, e desencadeia-se uma estimulação elétrica enquanto se aguarda a reação do paciente. Dessa forma, faz-se um mapa das áreas cerebrais próximas à lesão, permitindo identificar o local, remover precisamente a área afetada e preservar as áreas sadias das vizinhanças.

Quando neurocirurgiões estimularam o giro angular (região próxima à porção mais posterior do lobo temporal), a paciente relatou a sensação de levitar. Os estímulos foram repetidos várias vezes, e, numa delas, ela se referiu à sensação extracorpórea; estava a cerca de 2 metros distante do próprio corpo, perto do teto da sala, observando os médicos operar sua cabeça.

Até que ponto o resultado desses experimentos se superpõem? Pode uma avaria nas redes neurais que parecem governar a fé desencadear uma crença que não existia ou estava adormecida? E qual o papel do giro angular na sustentação da imagem corporal? Por que a estimulação dessa área cortical projeta para o paciente sua imagem fora do corpo? Que papel a evolução atribuiu ao lobo temporal no controle das nossas crenças? Se nossos genes são de fato "egoístas", a que atribuir a crença ilimitada em outra vida, em outra dimensão? E por que tais crenças se tornam acentuadas quando estruturas do lobo temporal são atingidas? Respostas a essas questões talvez sejam um dos maiores desafios para as neurociências.

Edson Amâncio é neurocirurgião, presidente do Congresso Paulista de Neurociências. Autor de O homem que fazia chover e outras histórias inventadas pela mente (Barcarolla, 2006).
Publicado no Scientific American.

sábado, 27 de abril de 2013

'Religião não é fonte da moral, mas eliminá-la é temerário', diz primatólogo.

Para alguém que tem se especializado em demonstrar que o ser humano e os demais primatas têm um lado pacífico e bondoso por natureza, Frans de Waal conseguiu comprar briga com muita gente diferente.
Autor de "The Bonobo and the Atheist" ("O Bonobo e o Ateu"), que acaba de sair nos Estados Unidos, o primatólogo holandês-americano provavelmente não agradará muitos religiosos ao argumentar que ninguém precisa de Deus para ser bom.
Seu modelo de virtude? O bonobo (Pan paniscus), um primo-irmão dos chimpanzés conhecido pela capacidade de empatia com membros de sua espécie e de outras, pela sociedade tolerante, sem "guerras", e pelo uso do sexo para resolver conflitos.
Com base nos estudos com grandes macacos e outros mamíferos sociais, como cetáceos e elefantes, De Waal diz que a moralidade não surgiu por meio de argumentos racionais nem graças a leis ditadas por Deus, mas deriva de emoções que compartilhamos com essas espécies.
Bonobos e chimpanzés sabem que é seu dever cuidar de um amigo doente, retribuir um favor ou pedir desculpas.
Por outro lado, o livro é uma crítica aos Novos Ateus, grupo capitaneado pelo britânico Richard Dawkins que tem dado novo impulso ao conflito entre ateísmo e religião desde a última década.
"Eu não consigo entender por que um ateu deveria agir de modo messiânico como eles", diz De Waal, ateu e ex-católico. "O inimigo não é a religião, é o dogmatismo."

Folha - Quem está mais bravo com o sr. depois da publicação do livro?
Frans de Waal - Bem, no caso dos ateus, recebi muitas mensagens de gente que me apoia. É claro que, em certo sentido, estou do lado deles, tanto por também ser ateu quanto por acreditar que a fonte da moralidade não é a religião. O que eu digo no livro é que os Novos Ateus estavam gritando alto demais e que precisam se acalmar um pouco, porque a estratégia deles não é a melhor.


Em seu livro, o sr. faz uma referência ao romance "O Senhor das Moscas", de William Golding, história na qual garotos perdidos numa ilha reinventam vários aspectos da sociedade, inclusive a religião. Mas a religião que eles criam é brutal, com sacrifícios humanos. O sr. acha que a religião nasceu brutal e foi ficando mais humanizada?
Acho que não. Quando olhamos para as sociedades tradicionais de pequena escala, que foram a regra na pré-história, vemos que esse tipo de coisa não está presente entre elas.
É claro que elas tinham crenças sobre o mundo sobrenatural e podiam sacrificar um ou outro animal aos deuses, mas, no geral, eram relativamente benignas.
É só quando as sociedades aumentam de escala que elas começam a se tornar mais agressivas e dogmáticas.


Quando se enfatiza o lado pacífico e ético das sociedades de primatas não humanos e do próprio homem, não há um perigo de fechar os olhos para a faceta violenta dela?
Concordo que, nos meus livros mais recentes, essa ênfase existe. Por outro lado, meu primeiro livro, "Chimpanzee Politics" ["Política Chimpanzé", sem tradução no Brasil], era totalmente focado na violência, na manipulação maquiavélica e em outros aspectos pouco agradáveis da sociedade primata. Mas a questão é que surgiu uma ênfase exagerada nesses aspectos negativos, e as pessoas não estavam ouvindo o outro lado da história.


O sr. acha que encontrar um chimpanzé ou bonobo cara a cara pela primeira vez pode funcionar como uma experiência religiosa ou espiritual?
Eu não chamaria de experiência religiosa (risos), mas é uma experiência que muda a sua percepção da vida.
No livro, conto como a chegada dos primeiros grandes macacos vivos à Europa no final do século 19 despertou reações fortes, em vários casos deixando o público revoltado porque havia essa ideia confortável da separação entre seres humanos e animais. Por outro lado, gente como Darwin viu aquela experiência como algo positivo.


E o sr. sente que essa aversão aos grandes macacos diminuiu hoje?
Sim, e isso é muito interessante. Eu costumo dar palestras em reuniões de sociedades zoológicas de grandes cidades aqui nos Estados Unidos. Tenho certeza de que muitas pessoas ali são religiosas. E esse público é fascinado pelos paralelos e pelas semelhanças entre seres humanos e grandes macacos ou outros animais.
Isso não significa que queiram saber mais sobre a teoria da evolução, mas elas acolhem a conexão entre pessoas e animais.


Na sua nova obra, o sr. defende a ideia de que não se pode simplesmente eliminar a religião da vida humana sem colocar outra coisa no lugar dela. Que outra coisa seria essa?
É preciso reconhecer que os seres humanos têm forte tendência a acreditar em entidades sobrenaturais e a seguir líderes. E o que nós vimos, em especial no caso do comunismo, no qual houve um esforço para eliminar a religião, é que essa tendência acaba sendo preenchida por outro tipo de fé, que se torna tão dogmática quanto a fé religiosa.
Então, o temor que eu tenho é que, se a religião for eliminada, ela seja substituída por algo muito pior. Acho preferível que as religiões sejam adaptadas à sociedade moderna.


Outro argumento do livro é que o menos importante nas religiões é a base factual delas. O mais relevante seria o papel social e emocional dos rituais. Para quem é religioso e se importa com a verdade do que acredita, não é uma visão que pode soar como condescendente ou desonesta?
Pode ser que, para quem é religioso, essa visão trivialize suas crenças. Mas, como biólogo, quando vejo alguma coisa que parece existir em quase todos os grupos de uma espécie, a minha pergunta é: para que serve? Que benefício as pessoas obtêm com isso? Não tenho a intenção de insultar ninguém com esse enfoque.


The Bonobo and the Atheist

editora W.W. Norton & Company
==================
fonte: Folha de SP de 27/04/13.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Ateu acredita em ET ?


A pergunta, a princípio, pode parecer estranha ou absurda afinal, em teoria, a vida extra terrestre nada tem a ver com a vida após a morte.
Mas ambas tem uma coisa em comum: hoje, dependem de fé.
Para quem baseia suas crenças no pensamento científico tanto uma como a outra aguardam comprovação e não passam, hoje, de especulação. São, apenas, possibilidades e jamais houve sobre os temas um único caso comprovado cientificamente.
A sobrevivência à morte de um “corpo astral” sempre foi a base fundamental de todas as religiões, que trocam consolo e esperança por dinheiro.
Milagres, comunicações com o além, reencarnações, não passam de especulação e quase sempre podem ser explicados pela ciência. 
Se as pessoas pudessem escolher seu destino entre o “morreu, acabou” e o “morreu e vai para o céu” não hesitariam e assim fica fácil compreender porque há muito mais religiosos que ateus: a fé oferece perspectiva muito mais agradável.

No caso da vida extraterrestre acontecem processos semelhantes.
A comunidade cientifica internacional converge em direção à idéia de que o processo de evolução que aconteceu na Terra pode ter acontecido em outros pontos do universo.
Afinal, os elementos químicos e as leis da física são, comprovadamente, as mesmas em qualquer estrela, planeta ou nebulosa de qualquer galáxia. Carbono, oxigênio, hélio estão em toda parte, assim como a gravidade, a matéria escura e os processos de fusão nuclear. A luz viaja da mesma forma e na mesma velocidade esteja você aqui ou em uma galáxia há bilhões de anos luz e quem afirma isso não é o papa ou o Edir Macedo e sim a ciência.
No entanto não houve até hoje um único caso de contato extra terrestre que tivesse comprovação cientifica.
Claro, há relatos de abdução, há discos que foram “vistos” por multidões, há inscrições misteriosas em montanhas, há os “deuses astronautas”, o ET de Varginha, o Caso Roswell e tantos outros mas todos, sem qualquer exceção, carecem de uma prova cientifica de que não tenham passado de ilusão, fraude, engano ou má interpretação de um fenômeno natural.
Mas como a ausência de evidência nunca pode ser interpretada como evidência da ausência... o homem continua procurando. 
O mais importante programa cientifico de busca de vida extraterrestre é o SETI (Search for Extra Terrestrial Inteligence) que rastreia os céus 24 hs por dia à procura de um sinal de rádio, de luz ou qualquer outra forma de comunicação que comprovadamente seja emitida por uma fonte inteligente e de forma intencional.
Mas, até agora, nada, nem um único sinalzinho. Se surgiu vida em outros lugares ela ainda não se comunicou conosco. 
Claro, assim como tem gente que vê Jesus na torrada e acredita que um facho de luz seja a mãe de Chico Xavier há também os que acreditam que já fomos visitados por discos voadores mesmo que não haja disso qualquer comprovação (a não ser que você considere programas do Discovery Channel como prova... o que, convenhamos, só alguém muito ingênuo faria).
Quanto à vida após a morte e a existência de um deus criador, sou 100% ateu. Já quanto à existência de vida extra terrestre – inteligente ou não - sou 100% agnóstico.
Desta forma, respondendo ao titulo deste post, eu digo que ateu não acredita em deus mas pode sim perfeitamente acreditar que existam ET´s. Mas permanecemos no aguardo da comprovação pela ciência desta que será a mais importante noticia de todos os tempos: a de que não estamos sós no universo.
Espero viver para isso... até porque, depois que eu morrer... acabou.

segunda-feira, 22 de abril de 2013

O interessante caso dos Pirahãs, um povo sem números, lendas ou deuses. São apenas felizes.

E quem tentou evangeliza-los...saiu ateu.



A tribo dos pirahãs, formada por cerca de 350 indígenas que vivem às margens do Rio Maici, no Amazonas, tornou-se um desafio para a ciência. 
Como muitas tribos da região, eles são caçadores e coletores, mas têm características únicas no que diz respeito à comunicação. Seu idioma desafia todas as teorias sobre como a linguagem humana se desenvolveu nas diferentes culturas. 
Segundo a tese hoje mais aceita sobre o tema, criada por lingüistas como o americano Noam Chomsky, a formação dos idiomas se pauta por uma espécie de gramática universal com regras comuns. O ser humano é dotado de recursos inatos para usar essas regras. 
Isso permite às crianças perceber os significados das palavras e das frases e aos poucos ampliar seu vocabulário. Essa gramática universal faz com que todos os idiomas tenham frases subordinadas, que estariam na base dos raciocínios complexos: "Depois de comer, vou à sua casa". 
O idioma dos pirahãs é o único até hoje identificado no mundo que não tem frases subordinadas, contrariando o conceito de gramática universal. 

Os pirahãs não têm palavras para descrever as cores. Não usam tempos verbais que indiquem ações passadas. Não há entre eles a tradição oral de contar histórias. Tudo é dito no presente. A língua escrita não existe. Os pirahãs não desenham e desconhecem qualquer tipo de arte. Eles são a única sociedade no mundo, segundo avaliação de antropólogos, que não cultiva nenhum mito da criação para explicar sua origem. Para completar, os pirahãs não usam números e não sabem contar - têm apenas palavras para "pouco" e "muito". 
(fonte: Revista Veja)

O mais interessante da história é que esse povo muito original não tem nem jamais teve uma religião. 
Não tem deuses, santos, mitos, lendas, nada.
Simplesmente não se preocupam com isso, vivem o dia de hoje.
E da maneira mais simples e mais natural provam a nós "civilizados" que é perfeitamente possível viver sem deuses.

Um pesquisador e missionário inglês, Daniel Everett, estudou o idioma pirahã, traduziu para ele os evangelhos e tentou catequisa-los.
Foi buscar lã e saiu tosquiado.
Os pirahãs ouviram as estórias bíblicas com atenção e interesse, mas recusaram qualquer conversão. 
Sobre os milagres, perguntaram se Daniel os havia presenciado e riram quando ele respondeu que não, que apenas passava adiante o que havia ouvido de outros que também não haviam presenciado nada.
Para resumir, Daniel Everett hoje é ateu e conta essa história singular em um livro chamado "Dont sleep, there are snakes"

domingo, 21 de abril de 2013

Deus, Einstein e os dados (texto de Marcelo Gleiser).


Talvez o leitor tenha já ouvido falar da famosa frase de Einstein em carta ao físico Max Born, de 4 de dezembro de 1926, popularizada como "Deus não joga dados". Que dados e que Deus eram esses?
Einstein referia-se à física quântica, que explica o comportamento dos átomos e das partículas subatômicas, como elétrons, prótons e fótons, as "partículas de luz".
Os "dados" aqui aludem a probabilidades, ao fato de no mundo quântico ser impossível determinar onde um objeto vai estar. No máximo, podemos calcular a probabilidade de ele ser encontrado aqui ou ali, com esta ou aquela energia.
Isso era bem diferente da física anterior, na qual ao saber a posição e velocidade de um objeto era possível, em princípio, determinar sua posição futura com precisão limitada só pelo instrumento de medida.
Para Einstein, uma física não determinista não podia ser a última palavra na descrição da natureza.
Outra versão, mais abrangente, deveria explicar as probabilidades e os paradoxos do mundo quântico. Aparentemente, Einstein estava equivocado. Deus joga dados sim.
A versão completa da frase de Einstein é um pouco diferente: "A mecânica quântica é certamente impressionante. Mas uma voz interior me diz que não é ainda a coisa real. A teoria diz muito, mas não nos traz mais perto dos segredos do Velho. Eu, pelo menos, estou convencido de que Ele não joga com dados".
O "Velho" aqui é uma figura metafórica representando não o Deus judaico-cristão, mas o espírito da natureza, a essência da realidade.
Para Einstein, a função da ciência é desvendar essa estrutura.
Por outro lado, ele tinha plena consciência de que nossas formulações científicas eram meras aproximações do que realmente ocorre: "Vejo a natureza como uma estrutura magnífica que podemos compreender apenas imperfeitamente e que deveria inspirar em qualquer pessoa com capacidade de reflexão um sentimento de humildade".
O que incomodava Einstein era a interpretação da mecânica quântica, que diferia da sua visão de mundo. Em parte, foi ele mesmo o culpado, ao propor que a luz podia ser interpretada como onda (como todos já sabiam em 1905) ou partícula. Essa dualidade era inusitada.
A coisa piorou quando a equação descrevendo elétrons em torno de núcleos atômicos, a "mecânica ondulatória" que Erwin Schrödinger propôs em 1926, descrevia algo imaterial. Em vez de uma onda normal, a equação descreve uma "função de onda" cuja interpretação, proposta por Born, era muito estranha: o quadrado (para os experts, valor absoluto) da função dava a probabilidade de medirmos a partícula em determinada posição ou com determinada energia.
Ou seja, a equação fundamental da matéria não descrevia matéria! Nesse caso, a essência da natureza não era algo concreto, mas uma abstração matemática. A teoria funcionava, mas sua interpretação era um mistério. Esse era o problema que Einstein tinha com o Deus que joga dados. Até hoje, quando físicos pensam no assunto, não conseguem evitar certa ansiedade, mesmo com o sucesso da física quântica.
(FSP-21/04/2013)

16 ótimas razões para você virar ateu!



1. Você pode ficar com 100% do que ganha.

2. Não precisa ir a missa toda semana, dá para ver uns 25 filmes a mais por ano.

3. Não precisa ajoelhar e contar seus podres para alguém pior.

4. Pode usar pílula e camisinha.

5. As únicas regras a seguir no preparo dos alimentos são as da higiene.

6. Se seu casamento não der certo você pode tentar outra vez, sem culpa.

7. Ao invés de rezar e esperar por ajuda você se esforça mais e consegue as coisas!

8. Como não se preocupa com vidas passadas ou futuras, vive melhor esta.

9. Pode ser bom e justo por opção e não por ter sido ameaçado por deuses e padres.

10. Pode fazer o que quiser no sábado, inclusive ver TV, andar de carro e de elevador.

11. Jejum só na dieta ou para fazer exame de sangue.

12. Seguir leis de hoje e não as escritas há milhares de anos por peregrinos do deserto.

13. As 17hs pode tomar um chá ou café ao invés de procurar a direção de Meca para orar.

14. Você não precisa acreditar em maçã do pecado, cobra que fala, mar que se abre, virgem que dá a luz, anjo que traz recado, morto que ressuscita, mandamentos, reizinhos que levam presentes, estrelinha que mostra o caminho, livro de lendas antigas e mal traduzidas, purgatório, inferno, diabo, pecado, Terra com 5 mil anos de idade, universo feito em 6 dias, santos fajutos, milagres capengas, dilúvio, arca, papa que é eleito pelos homens mas vira santidade, igreja que protege pedófilos, gente que funda uma igreja e vira bispo, penitência, flagelo, terço, abstinências sem sentido, dogmas tolos, deus que tudo sabe mas que não fala com ninguém, batismo, crisma, comunhão, santo graal, crucifixo, água benta, hóstia, imagem de santa que aparece no vidro, Jesus que aparece na torrada, estatueta de santo que chora, gente histérica que reza aos gritos e nem na idéia absurda de 3 deuses que são um só mas são 3.

15. E, por fim, você pode crer livremente na ciência, nas leis da natureza, em teorias embasadas por fatos comprováveis e que não dependem de fé cega em fatos, leis, lendas e textos milenares, de origem duvidosa e superados pela evolução da humanidade.

16. Enfim, um ateu é um ser livre, para pensar e para viver. Como é bom ser ateu!

domingo, 14 de abril de 2013

Porque tanta gente odeia os ateus?


Diz a lenda que no Brasil um ateu assumido teria menos chances de se eleger para um cargo público que uma mulher, pobre, negra e homossexual (uma combinação absoluta de  minorias discriminadas).
A ojeriza pela idéia de ver eleita uma pessoa que não crê em deus vem de preconceitos milenares como "quem não tem deus no coração não tem limites, pode fazer o que quiser".
Ou, um degrau abaixo, "ateus tem pacto com o diabo".

Em teoria ateus são - ou deveriam ser - inofensivos, já que não defendem a crença em outros deuses nem a adesão à religiões concorrentes mas sim a mais e absoluta descrença.
Porque alguém não acreditar em seu deus te ofende ou te incomoda?
Já ouviu falar de algum homem bomba ateu?

Imagens de santinhos, nossas senhoras e jesuses postados aos milhares diariamente na internet não me ofendem, não me incomodam, eu não reclamo disso (apenas ignoro).

Mas quando alguém posta uma mensagem ateista os crentes se revoltam, protestam, exigem respeito, bradam pela liberdade religiosa, esquecendo-se que dela faz parte o direito de não crer.

O blog consciência.blog.br, de Robson de Souza, publica uma análise bem completa e interessante da "ateofobia - uma intolerância gritante mas pouco notada".
O texto relaciona fontes de preconceito e as formas usadas pelas religiões para ofender, atacar e estigmatizar os não crentes. 

Letras de músicas cantadas em igrejas ("Vou dizer, não tem que ser assim, mas se deus não serve pra você, você não serve pra mim...") , frases religiosas impressas nas notas de dinheiro, crucifixos pendurados em paredes de tribunais, intolerância explícita nas escolas, no emprego e até mesmo em casa, na própria família, agressões à laicidade do estado, influência exagerada das igrejas nos rumos do país, tudo isso alimenta e realimenta há séculos a imagem distorcida que as pessoas tem de quem não acredita nos mesmos amigos imaginários que elas.
Vale a pena ler o texto completo, segue o link: Ateofobia.

Na minha opinião o que incomoda mesmo os crentes é que, no fundo,  percebem a total falta de lógica das lendas nas quais suas religiões se baseiam, mas não querem mexer nisso, não querem perceber, analisar, pensar, querem apenas continuar recebendo de suas igrejas aquilo pelo qual pagam: consolo, esperança, apoio e sentido para as suas vidas.
Mesmo que não seja verdade.





sexta-feira, 12 de abril de 2013

Mas afinal, quem Feliciano representa?


O rosário de bobagens proferidas por esse "bispo" não para de crescer.
Já disse que Caetano Veloso fez pacto com o diabo, que os africanos são amaldiçoados e que deus matou John Lennon e os Mamonas por ter se sentido afrontado por suas músicas.
(no caso dos Mamonas foi ótima a pergunta do Jô Soares: mas e o piloto??)
E ele não para, hoje disse que Jesus não é para enfeitar pescoço de homossexual.
(eu acrescentaria: nem de hétero nem de ninguém...)

Feliciano não fala essas coisas de graça e nem está ali a toa, ele pode não representar as pessoas que estão protestando na internet contra sua presença na comissão mas é claro que é fiel representante de alguma parcela da sociedade.
Mas qual?
Seria simples demais afirmar que ele representa "evangélicos" pois esse tipo de generalização inclui correntes de variados tipos e posicionamentos.

Feliciano representa, na verdade, uma das piores e mais malévolas parcelas da sociedade, a dos empresários sem escrúpulos que montam verdadeiras máquinas de explorar moral e financeiramente as pessoas mais humildes. 
Empresas que se travestem de igrejas - assim como charlatões se travestem de bruxos - para vender ilusão na forma de serviços espirituais.
E que por isso mesmo saem ilesos das garras da justiça e do governo pois quando pressionados alegam direito à liberdade religiosa.
É um golpe perfeito: isenção total de tributos e proteção legal, basta ver que todos os donos dessas igrejas são ricos e livres.
Toda a gritaria contra Feliciano o transformou em celebridade e com certeza fará com que seja reeleito com grande crescimento de votos pois muita gente não apenas concorda com as bobagens que ele diz como segue cegamente as orientações interesseiras das "igrejas" que frequentam.
E para as quais entregam, de mão beijada, 10% (ou mais) de seus suados rendimentos, sem se dar conta de que o dinheiro é gasto na compra de mansões e helicópteros.
Em nome de Jesus, claro.
A solução está na educação, quanto maior o nivel de instrução de um povo menor a chance de prosperarem essas redes empresariais "religiosas".
Sem esquecer da luta pela laicidade do estado.

Fica claro porque o nível da educação no Brasil é tão baixo, é pelos mesmos motivos que fazem a corrupção não diminuir ou as obras de infraestrutura atrasarem:
alguém está ganhando muito dinheiro com isso.

Lutar contra essas coisas não é uma luta ateísta mas sim de toda a sociedade.







sábado, 6 de abril de 2013

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Se não acreditamos em Thor, por que crer no Deus cristão?

Para biólogo conhecido por teoria do 'gene egoísta', não se deve respeitar crenças que vão contra consensos na comunidade científica


Fila dando volta no quarteirão. Parecia estreia de um filme de Hollywood.
Tudo para ver a palestra de Richard Dawkins, 72, talvez o ateu mais famoso do mundo, biólogo, tipo raro de intelectual híbrido que se comunica bem com o grande público e com os eruditos dos centros de pesquisa de ponta.
Dawkins alcançou notoriedade tanto nos círculos acadêmicos dos departamentos de biologia quanto no delicado debate público sobre o papel das religiões no mundo contemporâneo.
Após a publicação do livro "O Gene Egoísta", Dawkins ganhou evidência na academia ao deslocar o foco dos estudos em biologia evolutiva dos grupos e organismos para o estudo dos genes.
Segundo o biólogo, quanto mais parecidas duas espécies, maior a tendência de se comportarem de forma cooperativa -o que explicaria em parte tendências altruístas entre seres geneticamente semelhantes.
Ironicamente, tais pendores altruístas viriam do chamado "egoísmo dos genes", uma tendência biológica das espécies de quererem espalhar seus genes.
Dawkins atingiu o grande público ao atacar a noção de um criador do cosmos onisciente e onipotente.
No livro "O Relojoeiro Cego", Dawkins argumenta que a suposta perfeição da natureza e o aparente design que se observa no mundo podem ser explicados, ainda que parcialmente, por meio da biologia evolutiva.
Com "Deus, um Delírio", o cientista britânico nascido em Nairobi (Quênia) se tornou best-seller, ao ampliar suas críticas às religiões em geral e defender que não há necessidade de se conhecer o pensamento religioso ou ter qualquer conexão com entidades divinas para se viver uma vida moralmente digna e eticamente responsável.
Mais recentemente, o cientista tem-se dedicado a viajar o mundo para debater com autoridades religiosas. Boa parte do material gravado abastece os diversos documentários dos quais o cientista participou.
Figura polêmica, Dawkins tem provocado a admiração da comunidade leiga ao pregar o entusiasmo pelo pensamento livre e não dogmático; e também a ira de muitos líderes religiosos por sua crítica impiedosa ao criacionismo -tese que rejeita a evolução das espécies- e, ao mesmo tempo, sua apologia do ateísmo.
Apesar do pensamento sofisticado, agudo e ferino, Dawkins pareceu bastante áfavel, brincalhão e interessado nas ideias alheias.
Foi no dia seguinte à palestra de Dawkins para mais de 1.500 pessoas numa pequena sala sala da Universidade da Pensilvânia, no mês passado, que esse pop star do ateísmo no mundo concedeu à Folha a entrevista a seguir.
Folha - Deus existe?
Richard Dawkins - Nós não sabemos se fadas existem. Nós não levamos a sério a existência do deus nórdico Thor, ou de Zeus, ou de Dionísio ou de Shiva.
Até que tenhamos sérias evidências de que algum deles existiu ou exista, não perdemos tempo com isso. Por que deveria ser diferente com o Deus cristão ou com o judeu ou com o muçulmano?
Mesmo que alguém concorde com o que o sr. acaba de dizer, há milhares de fiéis pelo mundo. É possível explicar essa enorme propensão à fé?
Há experimentos em psicologia infantil que demonstram que crianças, quando indagadas sobre a existência de uma pedra pontiaguda em um ambiente, preferem a explicação que tenha causa e consequência claras.
Em outras palavras, preferem acreditar que a pedra é pontiaguda para que os animais daquele ambiente possam usá-la para se coçarem.
Não aceitam que a pedra pontiaguda se formou a partir de processos geológicos e da erosão através do vento e da água. Talvez muitos dos fiéis de hoje ainda retenham esta atitude infantil ao pensarem sobre o mundo.
Um outra hipótese é que a propensão à fé seja simplesmente um resquício do medo de se ficar só em um ambiente hostil. Nossos ancestrais viviam sob constante ameaça de serem atacados e mortos por animais selvagens.
Pode ser que nossa necessidade de criar fantasmas e divindades que vão nos punir esteja conectada com esse traço evolutivo presente em nossos primórdios.
O sr. diz que há uma tendência ao silêncio em relação às doutrinas religiosas dos outros, que as pessoas evitam debater sobre suas próprias crenças, e que esse fato é nocivo à sociedade. Não seria necessário simplesmente respeitar as diferentes crenças das pessoas?
Não devemos respeitar crenças que influenciam a vida de crianças e que vão contra conhecimento dado como consenso na comunidade científica.
Uma coisa é uma pessoa dizer que acredita em Papai Noel e manter esta crença dentro de sua família -ainda que eu considere uma pena para os filhos.
Quando algumas pessoas, contudo, começam a ensinar que a Terra tem apenas cerca de 10 mil anos, aí eu acho um absurdo e quero lutar contra isso.
Um novo papa acaba de ser eleito. Ele é argentino. É possível dizer que isso representa um avanço em termos políticos da fé no mundo em desenvolvimento?
Se pensarmos que haverá uma menor centralização política daqueles que determinam o futuro da Igreja Católica, sim, sem dúvida.
No Brasil, a Igreja Católica tem perdido fiéis para outras tradições protestantes. Alguns atribuem tal fenômeno à dinâmica dos rituais católicos, ainda bastante hierarquizados e tradicionais, se comparados às religiões protestantes.
Não conheço bem o contexto brasileiro, mas é possível imaginar que a não participação ativa dos fiéis nas missas católicas é um dos fatores que provavelmente têm contribuído para tal queda.
Explicando melhor, os rituais protestantes nos EUA são como shows, os participantes dançam, cantam, tocam instrumentos.
Suponho que no Brasil as missas ainda tenham um formato bastante tradicional e que provavelmente tenham pouco apelo social para conquistar seguidores jovens.
Em sua obra, o sr. dá ênfase à possibilidade de qualquer um rejeitar crenças religiosas ou vivências espirituais e ainda assim ter uma vida plena e ética. Sem as religiões, onde é que encontraríamos códigos morais?
Suspeito que não encontramos regras morais nos ensinamentos religiosos. Se fosse esse o caso, nossa conduta moral não se alteraria praticamente a cada década. Seria estanque.
Pense que até bem recentemente nós considerávamos a escravidão como algo normal e que também as mulheres não deveriam participar dos processos democráticos.
E quanto ao que não conseguimos explicar? Não vem daí uma das "necessidades" da religião e da crença no "sobrenatural"?
Essa talvez seja uma das explicações que mais me aborrecem para se crer em uma deidade.
Eu gostaria que as pessoas não fossem preguiçosas, covardes e derrotistas o suficiente para dizer: "Eu não consigo explicar, portanto isso deve ser algo sobrenatural". A resposta mais correta e corajosa seria a seguinte: "Eu não sei ainda, mas estou trabalhando para saber".
Acabam de ser divulgados os primeiros resultados das pesquisas sobre índices de felicidade idealizados pelo governo do primeiro-ministro britânico, David Cameron. O sr. já investigou a relação entre religiosidade e felicidade?
Não vi os resultados ainda. Quanto à relação entre religiosidade e felicidade, ainda que eu não tenha estudado o assunto, é possível prever que tal correlação é mais um mito do que um fato.
Os países que apresentam melhores índices de desenvolvimento humano e, em tese, uma melhor condição para a existência da felicidade, são países com o maior número de ateus do mundo.
Seus cidadãos encontram bem-estar, alegria e consolo nas possibilidades sociais, culturais e intelectuais concretamente disponíveis em seus países, não em entes divinos.
    (fonte: Folha de SP de 01/04/2013)

sexta-feira, 29 de março de 2013

Numerologia: desculpe dizer mas quem acredita nisso é um manné.


Um ateu coloca em um mesmo balaio os tarôs, horóscopos, leitura de mãos e todos os seus assemelhados.
Para quem não crê na existencia de um mundo espiritual fica totalmente sem sentido imaginar que a vida de uma pessoa já esteja "escrita" e possa ser lida em linhas da mão ou borra de café.
Não é o meio da leitura que é o problema e sim o conceito, por ser absurdo. De todas essas bobagens uma se destaca pela primariedade de sua essência: a numerologia. Do site "how stuff works" eu tirei uma definição hilária do que seria esta "ciência":

"Segundo a numerologia cada número tem uma vibração única, que dá a ele certas propriedades. Estas propriedades podem esclarecer o comportamento de uma pessoa ou predizer se parceiros são compatíveis. A análise numerológica pode determinar o número ou dia de sorte de uma pessoa. Números recorrentes podem dar pistas sobre como o mundo funciona ou o significado de pessoas e eventos. Muitos numerólogos dizem que nada acontece por acaso - tudo acontece por causa dos números. "

Eu adorei a idéia dos numeros "vibrando" por aí. Quais seriam... os escritos, os falados?
Para duas pessoas serem compatíveis seus "numeros" tem que vibrar na mesma frequência, seja lá o que isso signifique.Isso me lembra bastante os comerciais de pasta de dente que dizem "comprovado por rigorosos testes científicos", sem nunca dizer que testes são esses.Basta que alguém um dia tenha escrito que os numeros "vibram" e definem destinos para que os crédulos de plantão saissem por aí mudando seus nomes para Fernanndo e Robberta.Simplesmente ridículo.A beleza da matemática, a dança dos números e a simetria da natureza não merecem ser usadas desta forma, totalmente sem embasamento científico.Embuste puro, tanto quanto amarração do amor e leitura de tarô.
Agora, se você prefere crer na ciência do que nas crendices, fique com a definição do Wikipedia:

"Numerologia é uma pseudociência que se dedica ao estudo das influências e qualidades místicas dos números. Segundo a numerologia, cada número ou valor numérico é dotado de uma vibração ou essência individual e indicaria tendências de acontecimentos ou de personalidade, apesar de não haver qualquer evidência científica de que os números apresentem tais propriedades. O filósofo grego Pitágoras é considerado por alguns numerólogos o pai da numerologia, apesar de não haver qualquer relação entre os cálculos que formam o mapa numerológico e o filósofo grego. Na verdade a numerologia é uma derivação da Gematria, um ramo da Cabala, que utiliza o alfabeto hebraico como base. A numerologia seria então uma adaptação dos princípios da Gematria para o alfabeto romano."
(post reciclado, sempre atual...)

Hoje é dia de churrasco !!


E eu gosto de carne mal passada, sangrando...

segunda-feira, 25 de março de 2013

Do nada, tudo.

Se, em ciência, todo efeito é resultado de uma causa, qual é a causa primeira do surgimento do Cosmo?



A origem da vida é algo que podemos estudar de fora para dentro, para ter uma visão externa e objetiva do que ocorre. Mesmo que seja impossível saber exatamente como a vida surgiu na Terra, podemos investigar os possíveis caminhos bioquímicos que levam a não vida à vida. No caso do Cosmo e da mente, as coisas são mais sutis.
Pelo que sabemos, todas as culturas tentaram narrar o processo da origem do mundo. Conforme exploro no livro "A Dança do Universo", os mitos de criação sugerem um número pequeno de respostas possíveis para a origem do mundo.
Todos pressupõem a existência de alguma divindade ou poder absoluto capaz de criar o mundo. Na maioria dos casos, esse poder absoluto é um deus ou grupo de deuses. Em alguns, o Universo é eterno, sem uma origem no tempo; já em outros, o Cosmo surge do nada, de uma tendência inerente de existir.
Esse nada pode ser o vazio absoluto, um ovo primordial ou a luta entre o caos e a ordem. Nem todos os mitos de criação usam uma intervenção divina ou pressupõem que o tempo começa em um momento do passado.
Na visão científica, a origem do Universo faz parte da cosmologia. Imediatamente, encontramos dificuldades: se, em ciência, todo efeito é resultado de uma causa, podemos voltar ao passado até chegarmos na causa primeira.
Mas o que causou essa causa? Aristóteles, por exemplo, usou uma divindade, "o-que-move-sem-ser-movido", que não precisa de uma causa. Ou seja, usou a intervenção divina. Como as observações atuais apontam para um Universo com um início no passado, o desafio dos modelos científicos de origem do Cosmo é justamente tentar driblar a questão da causa primeira.
Porém, mesmo supondo que isso seja possível, será que a resposta é aceitável ou definitiva? Se o Universo surgiu de uma flutuação quântica aleatória, resolvemos a questão da causa. No mundo quântico, processos ocorrem espontaneamente, como no decaimento de núcleos radioativos. Juntando a isso o balanço entre a energia positiva da matéria e a energia negativa da gravidade, essa flutuação pode ter energia nula: o Cosmo surge do "nada".
Esse é o resultado de que tanto se vangloriam Stephen Hawking, Lawrence Krauss, Mikio Kaku e outros físicos. Mas não deveriam. É óbvio que esse nada quântico é muito diferente de um nada absoluto. Qualquer modelo científico pressupõe toda uma estrutura conceitual: energia, espaço, tempo, equações, leis...
Fora isso, hipóteses precisam ser testáveis e não sabemos como fazer isso com uma flutuação primordial. Não podemos sair do Universo e testar outras versões no laboratório. No máximo, modelos como esse chegam a uma compatibilidade com o que observamos.
A questão de por que este Universo e não outro continuará em aberto. O fato de a ciência oferecer tantas respostas não significa que ela deva responder a tudo.

FSP- 24/03/2013

sexta-feira, 22 de março de 2013

Ache o erro na frase: "Deus prefere bons ateus a maus cristãos".


Igreja Metodista em Portland, USA, causou polêmica ao exibir à porta de seu templo 
o aviso acima que diz: "Deus prefere bons ateus a maus cristãos" (em tradução livre).
Muitos fieis protestaram mas elogios foram também recebidos.
Mas a frase contém um erro grave, fundamental.
Descobriu qual é?

É simples: deus não existe, logo, não prefere nada.

quinta-feira, 21 de março de 2013

Aborto, Quae Sera Tamen !

A proposta de dar à mulher a opção de interromper a gravidez até a 12ª semana, ampliando os casos previstos de aborto legal, ganhou o apoio de conselhos de medicina.

A posição é inédita e respalda o anteprojeto da reforma do Código Penal entregue ao Senado no ano passado, de acordo com o CFM (Conselho Federal de Medicina).
O entendimento foi aprovado pela maioria dos conselheiros federais de medicina e dos presidentes dos 27 CRMs (Conselhos Regionais de Medicina) reunidos em Belém (PA) no início do mês. Antes disso, o tema foi debatido internamente por dois anos.
"Defendemos o caminho da autonomia da mulher. Precisávamos dizer ao Senado a nossa posição", diz Roberto D'Ávila, presidente do CFM.
(fonte: FSP de 21/03/13)
============================================


Enfim uma boa notícia, o aborto vai finalmente entrar na pauta de assuntos a serem seriamente discutidos no Brasil.
O tema fica sempre de fora graças a uma pressão absurda dos meios religiosos que insistem em impor a todos seus preceitos morais e seus dogmas jurássicos.
Ao invés de defenderem que os membros de suas igrejas não pratiquem o aborto as igrejas exigem - com toda a força que possuem - que a proibição seja estendida a todos, crentes ou não, de qualquer religião.
Enquanto isso os abortos seguem como a maior causa de mortalidade feminina na faixa até os 25 anos, uma verdadeira chacina diária baseada na idéia de proteger fetos microscópicos ao custo da vida das jovens mães que, no mundo real, abortam de forma ilegal.

Não apoia o casamento gay? Não se case com um.
Não apoia o aborto? Não aborte.

Aborto, ainda que tardio!

quarta-feira, 20 de março de 2013

Não parece, mas é seu avô.


O carrancudo e peludo senhor que ilustra esse post faz parte da sua árvore genealógica mas você provavelmente não tem fotos dele nos albuns antigos da família já que ele viveu entre 1,4 e 2,3 milhões de anos atrás.
O portal hypescience.com (se ainda não conhece, vale muito a pena) publicou uma relação de 10 ancestrais essenciais do ser humano, uma bifurcação na escala evolucionária que começou perto de 7 milhões de anos atrás e veio dar em você, eu e todos os bilhões de habitantes humanos do planeta, vivos e mortos.
Conheça seus outros nove "vovôs" nesse link:

http://hypescience.com/10-ancestrais-essenciais-da-evolucao-humana/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+feedburner%2Fxgpv+%28HypeScience%29

É divertido postar sobre temas científicos que desmontam lendas bíblicas porque são provas da falibilidade do texto chamado de sagrado pelos crentes.
Afinal, segundo a bíblia, somos todos descendentes do Sr. Noé... e Adão, nosso mais antigo ancestral, teria vivido algo como 6 mil anos atrás.

Nessas horas a gente até entende porque a versão fantasiosa é mais popular que a verdadeira...com certeza as pessoas preferem ter os simpáticos Adão e Eva como ancestrais do que o macacão aí da foto.
Mas para nós ateus...entre a verdade e a lenda sempre ficamos com a verdade.

domingo, 17 de março de 2013

É cedo para santificar o papa,


É compreensível que a massa de fiéis reunida na praça de São Pedro, durante a cerimônia fúnebre de João Paulo 2º, decretasse aos gritos: "Santo subito".
Afinal, o pontificado de João Paulo 2º durara 28 anos, tempo mais que suficiente para exibir ao mundo suas qualidades (defeitos também, mas, nessas horas, ninguém pensa em defeitos).
É um exagero, no entanto, a mídia, inclusive a do Vaticano, transformar o noticiário em torno do novo papa em culto à personalidade de Jorge Mario Bergoglio, como reproduzisse para ele o grito de "Santo subito" de oito anos atrás.
Cada detalhe de sua biografia e cada vírgula de suas palavras são apresentados em "odor de santidade", a fragrância que a tradição católica diz que emana dos santos.
Talvez o exagero se deva ao fato de que Bergoglio era um virtual desconhecido para o mundo, o que leva o jornalismo a procurar, em cada pequeno gesto e cada pequena fala, o rosto do novo pontificado.
Está sendo inútil até agora, a menos que se considere que a escolha do nome Francisco seja uma declaração de intenções, a de querer, como disse ontem, "uma igreja pobre, para os pobres". Não conheço um único religioso (ou político) que tenha defendido uma igreja (ou partido ou governo) para os ricos.
Entendo em todo o caso a carência de definições sobre a vasta e complexa agenda da igreja, que, segundo dom Cláudio Hummes, "precisa de uma reforma em todas as suas estruturas".
O papa explicou que "a igreja, embora sendo certamente também uma instituição humana, histórica, com tudo o que isso comporta, não tem uma natureza política, mas essencialmente espiritual".
Os mortais comuns aprendemos a lidar com a política, gostando ou não dela, mas o espiritual é para poucos escolhidos.
O problema é que temas essenciais da agenda da igreja, como o escândalo de pedofilia ou a polêmica em torno do casamento entre pessoas do mesmo sexo, são essencialmente humanos.
O papa precisará mesmo do odor de santidade para levar a cabo o que dom Cláudio definiu como "obra gigantesca" de renovação da igreja. Precisará também da coragem que lhe faltou durante a ditadura militar argentina, como depõe o prêmio Nobel da Paz Adolfo Pérez Esquivel: "Não considero que Jorge Bergoglio tenha sido cúmplice da ditadura, mas creio que lhe faltou coragem para acompanhar nossa luta pelos direitos humanos nos momentos mais difíceis".
O passado, portanto, não permite sentir odor de santidade no novo papa, até porque santos se revelam exatamente nos momentos difíceis. No caso da Argentina, durante a ditadura, o que estava em jogo era condenar a barbárie, não calar-se.
Mas é hora de virar a página Bergoglio e abrir a página Francisco. O que começará a dar um rosto -santo ou não- ao novo papado serão as escolhas para os cargos vitais da Cúria, em especial a nomeação para a secretaria de Estado, o segundo cargo no Vaticano -escolha que será todo um programa de governo do novo papa e lhe dará (ou não) os primeiros "odores de santidade".
(Clovis Rossi, FSP de 17/03/13)

sábado, 16 de março de 2013

Carl Sagan – Contra a força das superstições e fundamentalismo.


Carl Sagan foi professor de Astronomia e Ciências Espaciais e diretor do Laboratório de Estudos Planetários da Universidade de Cornell, EUA. Desempenhou um papel de liderança no programa espacial estadunidense desde o seu início. Foi consultor e conselheiro da NASA desde 1950, ajudou a resolver os mistérios das altas temperaturas de Vênus (resposta: efeito estufa maciça), as mudanças sazonais em Marte (resposta: poeira trazida pelo vento), e a névoa avermelhada de Titã (resposta: moléculas orgânicas complexas).
Como um cientista formado em astronomia e biologia, Carl Sagan fez contribuições essenciais para o estudo das atmosferas planetárias, superfícies planetárias, a história da Terra, e exobiologia que é o estudo da origem, evolução, distribuição, e o futuro da vida no Universo. Sua capacidade de capturar a imaginação de milhões e de explicar conceitos difíceis em termos compreensíveis é uma realização magnífica, comprovando que não é o vocabulário que faz o homem, mas sim como o utiliza e manifesta seu conhecimento.


Carl Sagan foi mais do que um simples homem. Foi um homem dotado de inteligência capaz de questionar, estudar e ensinar àqueles que quisessem aprender além do que está escrito na bíblia, ou nos livros do ensino fundamental. Reforçou a ideia de que o universo é um mistério que anseia por ser descoberto. E que as superstições são obstáculos criados para interromper a evolução humana. Somos dotados da capacidade de pensar, raciocinar e questionar, e infelizmente, não é isso que o poder governante quer.
Porém, é graças à iniciativa de pessoas como Doutor Sagan que o mundo caminha para novos horizontes. Se existissem pessoas deste porte se envolvendo em todas as áreas de estudo, tornar-se-ia possível imaginar um mundo onde o que importa é a evolução humana, e não somente a religião que se segue, a roupa que se veste, ou o sapato que se usa.
(fonte: hypescience.com)

quarta-feira, 13 de março de 2013

Um papa nada pop.


O PAPELÃO DO PAPA: Francisco I, servil e sorridente ao lado de um dos maiores facínoras da história: General Jorge Videla, responsável principal pela mais sanguinária ditadura da história argentina.
O novo papa tem contra si acusações de roubo de bebês, subtraídos às presas políticas e doados a casais de apoiadores do regime. Uma santidade. (fonte: 
www.pos-quim.com)