terça-feira, 12 de março de 2013

Habemus Circus.




Não se deixe enganar, um conclave nada mais é que uma reunião do conselho de uma empresa para escolher o novo presidente e sua diretoria.
Se em uma empresa normal o cerimonial exige apenas uma ampla sala de reuniões e participantes usando terno, um conclave exige muito mais.
Vestimentas  que mais parecem fantasias de carnaval, chapéus ridículos, templos deslumbrantes e cerimoniais faustosos fazem parte de um teatro cujo único objetivo é dar a tudo aquilo um certo ar santificado e glorioso.
Ou “sagrado”, palavrinha vazia e sem significado real mas tão bem usada pela igreja quando lhe interessa.
Na verdade o que vamos assistir a partir de hoje é uma guerra de foice no escuro, uma disputa fraticida pelo poder, pelo dinheiro e pela glória de ser um papa e controlar o poderoso Vaticano.
Há grupos, como há partidos na vida civil, e o recente “Vatileaks” deixou expostas as entranhas mais podres dessa disputa que coloca de um lado os responsáveis pela sujeira já praticada e de outro os candidatos a aproveitar sua vez.
Desvios de dinheiro, obras super faturadas, escândalos sexuais de todos os tipos (prostituição, homosexualismo, orgias), uso do Banco Vaticano para lavagem de dinheiro e historias escabrosas de proteção aos pedófilos escondem-se atrás daquelas construções majestosas com janelas cobertas de veludos tão pesados quanto os “pecados” ali dentro cometidos.

Deus em pessoa poderia facilmente surgir durante o conclave, falar ao mundo, inspirar a todos e indicar aos bondosos cardeais seu papa de preferência, o que poderia trazer paz e harmonia aos homens para sempre.
Mas, como sempre, prefere agir como fazem todos os seres inexistentes e não dá, como nunca deu, sinal algum de vida.
Nada, absolutamente nada de divino ou sagrado começa hoje em Roma, o que vamos assistir é uma fantasiosa reunião de homens interessados no poder e na glória, nada mais.

Ainda não habemus papa...mas já habemus circus.

18 comentários:

  1. Não entendo como as pessoas podem dizer que são superiores aos animais. OS animais têm seus rituais de conquista para acasalamento e garantia de continuação da espécie. Nós (eles e outros) têm necessidade de rituais de auto-afirmação onde eles se acham semelhantes a um ser superior e perfeito (imaginário). Ainda tem quem defenda a causa do "tudo foi feito para servir o homem." Principalmente as roupinhas cafonas e sapatilhas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Belas palavras, minha amiga! Belas palavras!

      Excluir
    2. Belas palavras, minha amiga! Belas palavras!

      Excluir
    3. Eu sou meio confusa, penso em montes de coisas e as vezes me atropelo para escrever, sempre falta palavras ou sobra. Mas voltando a vaca fria... nós estamos no século 21, o homem já foi à lua, nós temos celulares, hologramas, realidade virtual, satélites em órbita da terra e não conseguimos nos separar desse cobertor de segurança (em portugal se usa esse termo aqui não). MAs é aquele cobertozinho que os bebês andam arrastando e fazem escândalo quando a mãe pega para lavar. Isso é a religião... é algo que conforta, mas não tem serventia prática alguma. Eu já vi gente dizendo que não segue nada do que a religião manda, mas acredita que vai ter uma vida melhor depois de morrer... seria angraçado, se não fosse trágico e compeltamente incoerente.

      Excluir
    4. Concordo plenamente...o que as pessoas buscam na religião seria mais facilmente encontrado na meditação e sem os embustes que custam tão caro aos incautos.

      Excluir
    5. O problema da meditação é olhar para dentro de sí... a grande maioria, não vai gostar do vai ver. É o medo terrível de se confrontar com um idiota ou monstro diante do espelho, sem ter o conforto do perdão divino.

      Excluir
    6. Bem colocado... mas então que tentem terapia, Yoga, sei lá, o que lhe der conforto emocional, o triste é ver tanta gente se apegar a lendas e ao culto de seres imaginários.

      Excluir
    7. Eu entendo e acho bárbaro alguém tentar melhorar a si próprio e aos outros por tabela, mas convenhamos... a grande maioria se preocupa com isso ? O pensamento da maioria das pessoas, não vai além da próxima refeição, do próximo ponto de ônibus, do próximo encontro, do próximo culto. As pessoas estão presas dentro de uma rotina ordinária e entediante, aquele frenesi das igrejas, dos terreiros, dos templos.. é algo libertador para eles, eles se realizam. Mesmo os cultos mais amenos, como um missa, sem rituais de histeria em massa, como a maioria dos cultos evangélicos, ainda oferecem seu lado selvagem... o famoso sermão, onde se malha um bode expiatório (homossexuais, ateus, aderentes de outras seitas). Tudo isso gera uma zona de conforto muito grande para quem não consegue pensar por sí próprio. Ainda mais, a grande maioria nem sabe falar a palavra psicologia, como querer que eles procurem ajuda nesta área ? Falta cultura. Falta empenho. Falta carater de se envolver com pessoas e com o mundo e deixar os amigos imaginários de lado. E falta um estado laico, dando oportunidade para as pessoas se envolverem em grupos menos deteriorados.

      Excluir
    8. Hoje eu estou malhando mesmo... gostaria de ter todo esse pique na academia... rsrsrsr

      Excluir
  2. "...como um missa, sem rituais de histeria em massa, como a maioria dos cultos evangélicos, ainda oferecem seu lado selvagem... o famoso sermão, onde se malha um bode expiatório (homossexuais, ateus, aderentes de outras seitas)."

    Postuladora... infelizmente você, como todos por aqui, falam daquilo que não conhecem, e falam com ares de doutor, como se conhecessem a fundo o assunto. Eu nunca ouvi, numa missa, um sermão que atacasse os homossexuais, ateus e aderentes de outra seitas... estas últimas então, pelo contrário, são chamadas pelos padres de 'irmãos separados'. Mas é que você não conhece o objeto de sua crítica, como todo bom ateu ...



    ResponderExcluir
  3. lineu!!! fora os rituais que dão ares de sagrado á reunião, pra mim, não sei para os outros. mas chamar uma reunião de velhos acabados, todos com óculos fundo de garrafa e alopécia hereditária é o fim da picada!!!!! que vergonha!!!
    lineu!! concordo com você em número, gênero e grau. cadê esse bendito deus???? que não dá as caras para eleger seu preferido?????? se não me engano não foi o proprio fundador dessa santa igreja que elegeu pedro??? por quê não volta a escolher de novo??? será lineu que a nave espacial dele quebrou??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Robson, seres imaginários são assim mesmo, você marca o encontro e eles nunca aparecem!
      E a única desculpa deles é que não existem, veja só...

      Excluir
  4. BUUUUU !!!! Apareci !

    (Respostas infantis para comentários infantis)...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernando apareceu, só falta o resto da tropa fazer o mesmo.... (deus, Jesus, Maria...todos desaparecidos há milênios!)

      Excluir
    2. fernando! eu e o lineu estamos nos perguntando onde está esse deus?? que não aparece a séculos, não era de você que perguntávamos!!

      não sabia que pedir para o santo papai celestial dar as caras aqui na terra, era questionamentos infantis!!!
      será mesmo que ele é meu papai amoroso??
      um papai amoroso faz isso? não aparece no aniversário do filho??

      Excluir
  5. É só ter um pouco de percepção e sair do meio ateu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele já apareceu pra você, né?

      Excluir
  6. Sabia que já ? Mas não uma aparição física, mas uma presença forte que veio num momento de minha vida em que eu mais iria sofrer. Naquela ocasião não liguei as coisas, mas, passados vários anos, olhando para trás, para o que aconteceu comigo, vi claramente que tudo aquilo por que passei não seria possível à minha estrutura suportar se não fosse aquela fortíssima presença que experimentei naquele momento crucial da minha vida.
    Não é papo de "evangélico" fanático, não, até porque sou católico. E nem foi um sofrimento físico, não. Acredite, eu só percebi claramente o que havia acontecido anos depois. Aquela presença fortíssima permitiu que eu sofresse muito, mas muito mesmo, mas só depois vi que, se não sofresse daquela forma, não entenderia o porquê do sofrimento, o sentido do sofrimento na vida das pessoas... é, o sofrimento, pelo ângulo cristão é um bálsamo. Foi o que aprendi. Foi como uma escola ...
    Não estou usando de sentimentalismo, como fazem esses pastores por aí, absolutamente. Hoje conto isso com espanto, no bom sentido, é claro.
    Pode ter parecido uma explicação confusa porque eu não posso dar detalhes... ficou meio no ar, mas não tem jeito.


    Pô, só eu mesmo ... olha eu falando da minha vida particular aqui... caramba !

    ResponderExcluir